MPF denuncia nove investigados da 51ª fase da Operação Lava Jato

As vantagens indevidas estão relacionadas a um contrato fraudulento de mais de US$ 825 milhões, firmado em 2010 pela Petrobras

 

A força-tarefa de procuradores da Operação Lava Jato apresentou nesta sexta-feira, 8, denúncia contra nove investigados na 51ª fase da operação, deflagrada no mês passado, pelos crimes de associação criminosa, corrupção e lavagem de dinheiro. Todos serão julgados pela Justiça Federal em Curitiba.

Chamada de Operação Dejà Vu, essa fase de investigações apura crimes de corrupção e lavagem de dinheiro em um contrato de US$ 825 milhões, envolvendo a área internacional da Petrobras, para a prestação de serviços de segurança, meio ambiente e saúde. Entre os denunciados estão os ex-funcionários da estatal, Aluísio Teles Ferreira Filho, Rodrigo Zambrotti Pinaud e Ulisses Sobral Calile; o operador financeiro Mário Ildeu de Miranda; além de Ângelo Tadeu Lauria, apontado como agente que intermediava repasse de recursos ilícitos a políticos vinculados ao PMDB; e quatro executivos da empreiteira.

De acordo com o Ministério Público Federal (MPF), três ex-funcionários da Petrobras, um operador financeiro e ex-executivos da empreiteira Odebrecht participaram de um esquema de pagamento de US$ 24,7 milhões em propina para favorecer a empresa em contrato de prestação de serviços com a estatal.

“Como contrapartida à propina paga, a Odebrecht teve acesso a informações privilegiadas de modo antecipado sobre o projeto, inclusive à relação das empresas a serem convidadas para o futuro certame, bem como sugeriu alterações relacionadas ao procedimento licitatório que restringiam a competição e a favoreciam amplamente”, argumenta o MPF, na denúncia.

Após as investigações da Lava Jato, a Odebrecht assinou um acordo de leniência com o MPF, no qual reconheceu ter praticados atos ilícitos envolvendo contratos da Petrobras e comprometeu-se a pagar uma multa cujo valor gira em torno de R$ 6,8 bilhões.

 

Comentários