Petrobras vende o litro da gasolina a R$ 3,23 no Paraguai

No país vizinho, combustível não tem o mesmo peso da carga tributária brasileira

 

É uma experiência reveladora. Quem trafega de carro no lado brasileiro da Avenida Internacional, em Ponta Porã, Mato Grosso do Sul, enxerga de longe o vistoso posto de combustíveis da Petrobras na outra extremidade da via, já na cidade paraguaia de Pedro Juan Caballero.

É tudo idêntico aos estabelecimentos brasileiros, com o verde inconfundível do layout e até a mesma grafia da marca. Mas basta estacionar junto à bomba de abastecimento do lado de lá da fronteira para perceber uma diferença curiosa: o preço do litro da gasolina comum no lado hermano é R$ 3,23. A aditivada sai por R$ 3,90.

A explicação para que o preço varie cerca de 30% de um lado para o outro da rua logo aparece. Enquanto acompanha o descarregamento de um caminhão tanque, a gerente do posto, Noelia Torres, explica que todos os tipos de gasolina e diesel vendidos no local são produzidos no Brasil. “A diferença está na carga tributária. Aqui no Paraguai o produto paga um imposto único, de 10%.

Não tem cobrança de IVA, equivalente ao ICMS de vocês, e outras taxas. Os produtos são praticamente os mesmos, tanto que são enviados para o Paraguai já refinados”, comenta. Noelia explicou também o caminho dos produtos até o posto. “Eles saem das refinarias do Brasil e vão até a capital paraguaia, Assunção. Lá é feito o armazenamento. Depois é que são distribuídos nos pontos de venda espalhados aqui no nosso país.”

E até bem pouco tempo a diferença no valor do litro era bem maior. Como a Petrobras vende em dólar para o país vizinho, a alta da cotação da moeda norte-americana elevou os preços. No início do ano, era possível encontrar gasolina por até R$ 2,80. O cenário, lógico, faz com que o movimento nos seis postos de combustíveis de Pedro Juan Caballero próximos da linha de fronteira seja frenético. Só no estabelecimento que Noelia gerencia são vendidos cerca de 40 mil litros de combustíveis por dia. “Durante a greve dos caminhoneiros no país de vocês, chegamos a vender 80 mil litros em 24 horas. Tivemos que pedir reforço de carga todos os dias”, relata.

O paranaense Éder Primiani, radicado em Ponta Porã e empresário do ramo de transportes, não esconde que o fato de morar ao lado do Paraguai facilita muito o seu negócio. “Combustíveis, pneus, autopeças, tudo é mais em conta no Paraguai. Em algumas coisas a diferença chega a 40%, mesmo com o dólar alto. Faço tudo do lado paraguaio. Para nós, brasileiros, fica constrangedor, né? No caso dos combustíveis, o produto é vendido para os outros países mais barato do que para a gente. Acho que o problema não está na Petrobras, mas nas pessoas que cuidam da Petrobras”, opina.

Nos postos de combustíveis do lado brasileiro, o cenário é desolador. Os únicos veículos que abastecem são carros oficiais ou de empresas que precisam comprovar despesas com notas fiscais emitidas no País. Para quem vive na fronteira há décadas, esta dinâmica de preços está dentro da normalidade.

“Já houve épocas em que os combustíveis eram mais baratos aqui (no Brasil). Agora é do lado de lá. Com o aumento do preço nos últimos meses no lado brasileiro, realmente a conta ficou pesada”, comenta o presidente da Associação Comercial e Empresarial de Ponta Porã, Eduardo Gauna. “É o reflexo da nossa carga tributária.

Hoje, no Paraguai, produtos como gás, gasolina, cerveja, autopeças e carros são bem mais acessíveis. Em compensação, os paraguaios vêm muito para cá em busca de sapatos, roupas e alimentos. É o comportamento normal da fronteira”, minimiza, enfatizando que as duas cidades têm dependência econômica uma da outra.

 

Comentários