Serviços regionais de saúde não dão mais prejuízo

Reajuste da oncologia ajudou Prefeitura a equilibrar pagamentos e conter déficit na neurocirurgia

 

Desde o reajuste da oncologia, conquistado em fevereiro deste ano, a Prefeitura de Cachoeira do Sul não sofre mais com riscos de suspensão de atendimentos regionais feitos pelo Hospital de Caridade e Beneficência através do SUS.

Apesar de afirmar que jamais se vê tranquilo com relação ao orçamento de sua pasta, o secretário de Saúde, Roger Gomes, explica que desde que a Prefeitura conseguiu a elevação do teto da oncologia, de R$ 133 mil mensais para R$ 496,6 mil, não houve mais problemas para o caixa municipal com o pagamento destes serviços.

Antes, a Prefeitura tinha de retirar recursos de seu caixa livre para ajudar a custear despesas dos pacientes de toda região composta por 12 municípios, incluindo Cachoeira. Houve meses em que o déficit gerado pelos serviços, especialmente da oncologia, batia na casa dos R$ 300 mil por mês.

“Agora, estamos tendo uma sobra porque os repasses entraram numa tabela MAC (média e alta complexidade) e podemos jogar os recursos de um serviço para cobrir o déficit de outro eventualmente. É justo que estejamos nessa situação porque tivemos um passivo grande sendo recuperado”, comentou Roger.

Comentários